quarta-feira, 17 de maio de 2017

                                    VENTO ASSOBIO VIDA
                                  Vento assobio canção vida no meio do amarelado milharal
                                  Nuvens brancas espichadas, grandes cordas esticadas no céu 
                                  Historia do espantalho, coração de palha afugentando o amor
                                  Solitário abandonado, roupas rasgadas, elegância desbotada
                                  Espantalho largado aos ventos, trapos remendos costurados
                                  Nos campos figura de mulher, imagem de poeira desenhada
                                  Silhueta pouco definida, quase negra, de cinza verde vestida
                                  Era uma vida paralisada, acompanhando o passar dos ventos
                                  Pensamento apertado, sorriso faminto, microcosmo pedaços
                                  Céu chuva de meteoros, pó de estrelas iluminando caminhos
                                  Grande espaço vazio, ténis de sola grudada de grãos de areia
                                  Bicicleta azul sem rodas, correndo sem saber bem para onde
                                  Pedalando direção incerta indeterminada, muitos dias noites
                                  Correndo de lugar nenhum, para o lugar a se perder ao acaso
                                  Ventos provocando nas sombras movimentos, quase humanos
                                  Recordações imprecisas seguradas, e escapulidas da memória
                                  Era uma vez, a história do Espantalho que nunca foi contada

                                  Maria José Salles Callado / 23.06.08
                                  Foto - MJSC - Ancud / Chiloé / Chile 2014  
 

Um comentário:

Lilian disse...

Acho que dentro de todos nós existe um espantalho..Nos paralisamos diante de alguns fatos, preferimos a inércia do que acompanhar o rumo dos ventos...Deixamos de amar , com medo de sofrer...Nunca saberemos a sensação de adormecer num sonho de vaga lumes,ou mesmo apreciar o voô sem destino , nem mesmo ver nossa face iluminada pelo aro -íris...
Mas o velho guardião com seu véu na neblina é capaz de viver nesse sonho de asas, voando no assobio dos ventos, vivendo num jardin de estrelas...
Pobre humanidade, não somos capazes de contar o quanto é grandioso ser seduzido pelas cores da manhã....Nunca estamos de braços abertos, ficamos reclusos em nossa egocentria...

Parabéns, com muita delicadeza você foi capaz de dar vida ao "Espantalho"...

Beijos