quarta-feira, 14 de junho de 2017

                                       Homem Bicho Grande                                                 Homem prisioneiro, bicho acuado, que escapa e foge
                                                Pegadas em pedras, pouco precisas apagadas por ventos
                                                Homem do concreto, bicho do asfalto, dia após outro dia
                                                Bicho grande, enorme, imenso, de um sonho azul de pedra
                                                Instinto primário, bicho cidade homem, animal de verdade
                                                Desperdiçando alegria, felicidade perdida dentro da cidade
                                                Através dos vidros da janela, percebendo a claridade do dia
                                                Momentos de  lembranças perdidas do nunca acontecido
                                                Psique do indivíduo, cérebro ágil quanto um porta-aviões

                                                Corrente subterrânea, experiências de novas descobertas
                                                Maturidade grande do não brincar o faz-de-conta do amor
                                                Plantando as sementes do girassol no chão do bem querer
                                                Arrancando solitária haste do capim crescida entre pedras
                                                Canto do grilo-falante com pássaro-fêmea penas coloridas
                                                Empinando pipas no céu, percurso dos vagos pensamentos
                                                Pipas suspensas no azul, canal de comunicação com deuses
                                                Noite feita de escuridão, céu rasgado de nuvens de estrelas
                                                Olho da noite, distância muito grande, das estrelas voadoras
                                                Estrelas do céu, pisca-pisca pálido, quando o sol desaparece

                                                             Maria José Salles Callado / 28.01 08
                                                             Foto - MJSC - Barcelona / Espanha
Share

Um comentário:

Lilian disse...

Essa poesia descreve exatamente no que a cidade nos transforma...Bichos !!!
Somos enclausurados em paredes, vivemos na agitação dos sons produzidos por uma poluição muito grande.
Somos fruto de um crescer sem bases, sem limites, sem lógica...
Porém esquecemos de crescer como seres humanos, com emoções, com amor, com olhares ternos...
Feliz da solitária haste de capim entre as rochas...ali está a felicidade...

Beijos