sexta-feira, 28 de julho de 2017

                                     Pedaços. Do Tempo
                                                Casa perto uma da outra, pintura de todas as vidas
                                                Com ventos, sem tempestades, casa onde os pássaros cantam
                                                Muitos ventos assobiados, em brancas nuvens passageiras ...

                                                Espiando a terra ao longe juntar-se ao branco-prata do céu
                                                Primaveras, hibiscos incandescentes, cores do rosa vermelho
                                                Galhos castanhos desbotados, da argila clara, ardósia forte
                                                Palavras no ligar e desligar emoções, no atar e desatar desejos
                                                Gesto paralisado, movimento interrompido do fugir para onde?
                                                Fugir para mais longe, do excitante receio do nunca saciar a sede
                                                Por que partimos e ficamos? Por quê? E quem poderá saber?
                                                Por que ninguém fala do que foi largado atrás existência
                                                Por que a vida sendo vivida no tempo presença ausência
                                                Quando a mistura de dois não permite espaço pra mais nada
                                                Por que o vento é tão forte que arranca as asas das borboletas
                                                Por que as folhas são tão verdes que parecem quase azuis
                                                Por que alimentar a fogo com as folhas secas do tempo
                                                Por que a luz difunde-se no corredor enchendo espaços com sombras
                                                Somos tempo passageiro, pedaços do tempo, memórias do tempo somos...

 
                                                Maria José Salles Callado / 23.07.08
                                                              Foto - MSJC - Sevilla / España / 2011
Share

Um comentário:

Lilian disse...

É um deleite ler suas poesias, acariciam a alma, - quem não sofreu ou se desencontrou do amor, quem não tem os porquês que nos incomodam , e não temos respostas para tais?Quando voce escreve nos leva para um mundo ,que além do valor literário, nos emociona,deixa uma vontade de quero ler mais.

Um beijo

Um beijo