terça-feira, 5 de agosto de 2014

                                                Azul de Papel
                                               Barco azul de papel, na beirada da calçada flutuando...
                                               Vida translúcidas gotas de chuva, pensamento deslizando
                                               Sonhos do desvendar, do conhecer, do dividir momentos
                                               Momento de levantar âncora, mundo quase desconhecido
                                               Tempo do impossível... Tempo inacreditável do possível
                                               Girassol verão, desejo do sol nos tons da tarde amarelada
                                               Ser verão céu azul... Verão azul do céu... Azul ser do viver
                                               A vida uma pintura em movimentos quase imperceptíveis
                                               O vai e vem de acontecimentos desenhados, e ondulantes
                                               Floresta refazendo o verde... Galhos de mãos entrelaçadas

                                               Árvores, raízes retorcidas, emaranhadas no mergulho terra
                                               Revoada de borboletas prontas para um voo errante verde
                                               Ventania no rosto invadindo um enorme espaço liberdade
                                               Poesias escritas além dos ventos... Mulher, marés, ventos
                                               Mulher barco, mulher mar... Mulher oceano sem fronteiras
                                               Oceano engolindo o sol, nascendo do horizonte sem limites

                                               Maria José Salles Callado / 21.04.09
                                               Foto - MJSC - Chiloé / Chile 2014

3 comentários:

Anônimo disse...

Quand les frontières s'effaceront... quand le même soleil se lèvera sur deux visages heureux... cœurs et âmes mêlés... Tes poèmes murmurés... Alors, le vert et le bleu réunis... alors, l'amour infini... alors, le temps arrêté... Tes poèmes vivront... Quand l'océan deviendra une flaque d'eau laissée par la pluie... ce bateau de papier portera l'espoir... alors, le bonheur sera là... Merci à toi, femme merveilleuse... Merci pour ce magnifique poème... V........

Maria José Speglich disse...

Oi Xará!

Amei seu blog.

Beijo!

Edna disse...

Oi Maria José,
Como é bom encontrar alguém bacana em uma longa viagem.
Na medida que você escreve sobre a vida que há na terra, no mar, na natureza...
Você faz com a vida que é um presente se espalhe, floresça e cada vez mais se torne vida.
Outro dia li que o mar ´´e a vida.
O mar é a nossa vida.
Pleno de mistérios...
De alegrias
De tristezas
De tempestades
De bonanças...
Assim é o mar
Assim é a nossa vida.
Parabéns
Ainda não li tudo
Quando o fizer escrevo novamente.